Monoteísmos

Por vezes os professores precisam de dar exemplos, de ilustrar e de contextualizar historicamente certas ideias e debates. O problema é que não é raro os alunos desconhecerem alguns factos históricos que se supõe serem do conhecimento geral. É o caso das religiões, que frequentemente eles confundem e baralham. Algum conhecimento empírico de base sobre a história e a sociologia das religiões pode, por vezes, ser útil para a discussão filosófica. O quadro que a seguir se apresenta pode ajudar os alunos a ter uma noção menos vaga das principais religiões monoteístas.

Este quadro foi originalmente elaborado pelo colega e amigo Luís Gonçalves (E. S. Teixeira Gomes), com algumas pequenas adaptações, e faz também parte do manual digital. Obrigado, Luís.


Comentários

assis disse…
Prezado Aires,

Acredito que o há um erro na tabela:

Em relação aos seguidores do Cristianismo temos o seguinte dado: segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) só no Brasil havia 123,3 milhões de cristão católicos no ano de 2010.

E até onde pude me informar há menos Judeus que Islamitas no mundo, os dados que consegui são:

- A população islâmica global é de aproximadamente 1,5 bilhão.
- A população global judia é de aproximadamente 14.000.000 (14 milhões).
- A população global de cristãos é de 2,25 bilhões.
(Dados do jornal Folha de São Paulo)

Certamente ele trocou a palavra bilhão por milhão.

Cordialmente;
Pollyanna Assis
Aires Almeida disse…
Não, não há erro Pollyanna. Em Portugal não se usa o termo "bilhão", mas sim "mil milhões". Assim, 1,5 bilhão no Brasil é o mesmo que 1500 milhões em Portugal. Como pode verificar, bate tudo certo com o que diz.

Seja como for, o seu comentário é importante para os leitores brasileiros, que podem ficar algo perplexos com os números aqui indicados. Muito obrigado.
Fernando Mota disse…
Caros Colegas
Parece-me existirem algumas imprecisões na tabela das três religiões monoteístas. Em relação aos textos sagrados do cristianismo, o catecismo não é um texto sagrado, por isso, já existiram várias versões e, provavelmente, continuarão a existir.
A oração matinas já não tem esse nome, chama-se Ofício de Leitura. Aliás, tendo em conta que a Liturgia das Horas (Laudes, Vésperas, Ofício, etc.) ainda está muito circunscrita aos ministérios ordenados, não sei se não seriam de colocar aqui os sacramentos, que sendo diferentes nas tradições cristãs, são praticados por todas elas (não o sete católicos, mas, pelo menos, o batismo e a eucaristia).
A quarta-feira de cinzas não é de maneira nenhuma uma festividade muito importante no cristianismo (existem feriados/dias santos muito mais importantes), no máximo poderia vir a referência à quaresmo iniciada pela quarta-feira de cinzas.
Existem outras imperfeições no cristianismo (sacerdotes; mandamentos; vida depois da morte). Mas aquelas parecem-me muito evidentes.
Já agora muitos parabéns pelo vosso projeto.
Com admiração
Fernando Mota
Aires Almeida disse…
Muito obrigado pelas suas correcções, Fernando Mota. É bom ter leitores que nos ajudam a fazer melhor. Irei refazer a tabela e substituir esta, tendo sempre em conta que a finalidade é servir aos alunos para identificar e distinguir umas religiões de outras. Devo, contudo, sublinhar que algumas das imprecisões que refere não estavam na versão original elaborada pelo meu colega Luís. O quadro original dele era mais completo e eu é que tive de o reduzir para caber tudo aqui. Por exemplo, quando diz que o catecismo não é um texto sagrado dos cristãos (bom, dos católicos), tem razão. Mas o título que deveria estar nessa linha devia ser «Textos sagrados e outros textos de referência», caso em que o catecismo não estaria ali mal.
Muito obrigado também pelas suas palavras simpáticas.
Aires Almeida disse…
A tabela foi corrigida, tendo em conta as sugestões recebidas. Muito obrigado, Fernando Mota.
Fernando Mota disse…
Só agora vi as mudanças. Acho que ficou muito melhor, mais rigoroso. Obrigado pelo vosso acolhimento e pelo vosso magnífico trabalho. Sempre que precisarem disponham. Abraço.

Mensagens populares deste blogue

Críticas à Teoria da Justiça de Rawls

Aprendizagens essenciais de Filosofia

Dedução e indução