Apresentação do manual


Porquê um manual organizado por lições? Em primeiro lugar, porque é precisamente para isso que serve um manual escolar: para lecionar. Essa foi uma das razões que nos levou a optar pela estrutura que melhor pode servir os professores na sua tarefa de ensinar. Em segundo lugar, porque um manual serve também para os alunos aprenderem e estudarem. Um manual organizado por lições também facilita o estudo e a aprendizagem dos alunos.

Os professores dispõem, assim, de um manual estruturado em função das suas necessidades concretas, com a planificação das aulas facilitada no que diz respeito às matérias a lecionar, à sua distribuição temporal e aos recursos a utilizar. Quanto aos alunos, dispõem de um guia simples de apoio às aulas, com as matérias arrumadas de acordo com elas, permitindo-lhes encontrar facilmente o que procuram.

E porquê 50 lições? Este não foi um número encontrado ao acaso. Na verdade, é o número de lições (de noventa minutos) indicado no programa da disciplina. Assim, o professor tem a garantia que, ao seguir as lições do manual, estará a cumprir integralmente o programa da disciplina, obedecendo também à distribuição de horas indicada para cada tema. É certo que o programa tem algumas opções que nem todos os professores lecionam, mas isso apenas contribui para deixar espaço para cada professor usar como bem entender: promovendo o debate nas aulas, recorrendo a um dos 50 textos do manual, aos filmes sugeridos ou a outras estratégias.

As lições estão integradas em capítulos. A estrutura de cada capítulo mantém-se ao longo do manual: começa sempre com um esclarecedor guia, apresentando o percurso a explorar ao longo das lições seguintes, e termina com sugestões de leitura criteriosamente pensadas para os alunos, além de filmes e textos. As sugestões de leitura e os filmes são também acompanhados de uma breve indicação do que neles se pode encontrar.

Cada lição tem em média três páginas e está dividida em curtas secções temáticas. A intenção foi a de as lições poderem ser lecionadas em apenas quarenta e cinco minutos. Assim, os professores podem aproveitar os restantes quarenta e cinco minutos (ou uma segunda aula, no caso de estas terem apenas quarenta e cinco minutos) para aprofundar as matérias, para trabalhar os textos com os alunos ou simplesmente para abrir o debate entre os alunos da forma como entenderem. Não haverá, pois, qualquer pressão sobre o professor para cumprir o que consta de cada lição, pois estas contêm apenas o que é fundamental e necessário.

A preocupação de clareza, de rigor e de simplicidade esteve sempre presente na conceção e elaboração deste manual; tanto no que diz respeito ao seu conteúdo como ao seu grafismo e aos diversos materiais de apoio que o acompanham. Assim, optou-se por um grafismo limpo e arrumado, mas também moderno e elegante, ao mesmo tempo que se evitou a repetição desnecessária, o ruído enciclopédico, a proliferação ruidosa de imagens, assim como a linguagem pomposa, rebuscada e escusadamente tecnicista. A linguagem simples manifesta-se também nos glossários de cada capítulo, incluídos nos materiais de apoio de alunos e professores.

Uma última palavra para o quase obsessivo cuidado didático e científico posto neste manual, que nos levou a reescrever vários capítulos inúmeras vezes, em função das preciosas opiniões e contribuições de colegas e professores que o tornaram muito melhor do que seria sem a sua generosa ajuda. Agradecemos por isso a Alexandre Guerra, Aluízio Couto, António Padrão, Carlos Pires, Daniela Moura Soares, Domingos Faria, Fernando Ildefonso, João Carlos Silva, José Carlos Soares, Luís Gonçalves, Matheus Silva, Rolando Almeida e Sara Raposo. À nossa editora, na pessoa de Paula Prata, agradecemos o apoio incrível, o profissionalismo simpático e a confiança. As infelicidades que ainda restarem são da nossa responsabilidade e estamos permanentemente abertos a todas as críticas, sugestões e comentários.

Esperamos que este manual seja filosoficamente estimulante e que os professores encontrem nele um bom instrumento de apoio às suas aulas, bem como um eficaz elemento de aprendizagem para os seus alunos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dedução e indução

Filmes

O que é a filosofia, afinal?